A importância da bandoleira tática

0

Um equipamento de fundamental importância no serviço policial, especialmente nos grupos táticos e de operações especiais, é a bandoleira tática.

Esse indispensável apetrecho que faz toda a diferença em uma ocorrência tem uma longa vida de bons serviços prestados as polícias e aos militares.

A bandoleira está em uso como auxílio ao porte e transporte de armas longas há pelo menos duzentos anos. O seu surgimento veio a reboque da invenção dos fuzis de cano longo, um desenvolvimento do antigo bacamarte medieval, onde pela facilidade de recarga e melhora considerável na pontaria, veio a ser parte dos exércitos desde o século XVI.

Contudo, foi no século XIX e com as guerras napoleônicas que pela primeira vez na história se criou uma estratégia e uma tática apurada para o uso do fuzil e da bandoleira, com regras e etiquetas próprias.

Em um primeiro momento a bandoleira nada mais era do que uma corda amarrada a arma, que era grande e pesada, para facilitar o seu porte e evitar, ao se disparar, que o fuzil caísse no chão, o que acarretaria danos ou sujeira nas partes vitais de funcionamento do mecanismo.

Em seguida foi se desenvolvendo toda uma ordem unida para que o militar usasse a arma em bandoleira de maneira marcial e disciplinada.

O uso da bandoleira nesses primórdios sempre obedeceu aos mesmos critérios originais: Ajudar no transporte da arma longa e ajudar no equilíbrio durante o disparo.

Hoje em dia os fuzis diminuíram de tamanho e de peso, aumentaram o seu poder de fogo milhares de vezes e a bandoleira passou por grandes melhoramentos também.

O primeiro foi o material que passou a ser feito de fibra sintética o que diminuiu o peso e aumentou a resistência. Depois passou-se produzir travas mais seguras e simples de operar. Por fim, chegamos ao que existe de mais moderno hoje em termos de bandoleira tática: a de três pontos de fixação.

Com isso a bandoleiras passaram a ter uma função a mais que é de facilitar a empunhadura e a mira da arma longa.

Hoje, um bom fuzil e um bom operador tático deve sempre ter uma boa bandoleira tática e treinar para que o seu uso facilite e aumente a segurança das operações.

Afinal, como disse o Capitão Nascimento, o uso da bandoleira é fundamental especialmente quando o militar é ferido e se faz necessário o seu transporte com as mãos livres. O 23 que o diga…

Segue um vídeo que mostra a importância e a eficiência de uma boa bandoleira tática:

Olavo Mendonça.

Fonte da foto: MAGPUL.

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA