Gentileza acaba em estupro de criança, a cultura do desencarceramento

0
Desencarceramento continua fazendo vítimas

A constância do estado brasileiro em colocar nas ruas os mais perigosos e degenerados psicopatas tem se mostrado como a mais eficiente política terrorista do planeta, as ações têm um poder de amedrontar e desestabilizar a população de tal forma que os membros do ISIS devem estar com inveja. Hoje, aqui em Brasília, uma criança de 04 anos se tornou vítima da política de desencarceramento, após ser violenta por um estuprador que se encontrava em liberdade provisória.

Sempre que falamos em revolução cultural e em como a esquerda utiliza o crime como forma de desestabilizar a sociedade somos taxados de conspiradores, exagerados e, algumas vezes de malucos. Mas as sucessivas estratégias, dos poderes constituídos, no sentido de proteção aos “direitos” dos criminosos, em clara contradição com os interesses da sociedade, não nos permitem outra avaliação. Membros do judiciário defendem o esvaziamento das cadeias e a adoção de penas alternativas e interpretam as leis, quase sempre, em benefício dos marginais permitindo rápidas progressões das penas e liberdade precoce de condenados. Os legisladores criam leis confusas e fracas que não permitem condenações. Além disso, impedem reformas na legislação penal e processual penal que poderiam agilizar os processos e impedir os infinitos recursos. O executivo não investe nos presídios, mantém suas forças policiais em condições de trabalho insalubres e, muitas vezes, com policiais recebendo salários de fome.

Para completar este quadro maldito, recentemente, tivemos a adoção das audiências de custódia que tem evitado a prisão de milhares de criminosos todos os dias. Aqui em Brasília calcula-se que 50% das prisões em flagrante são convertidas em liberdade provisória com a adoção das audiências de custódia. A ideia dos gênios é mudar a cultura do encarceramento, ou seja, deixar de prender bandidos.

Quem realmente sofre com este estado de coisas é a população. Hoje após permitir que um entregador de gás entrasse em sua casa, para usar o banheiro, uma senhora não imaginava que colocava dentro de casa um estuprador de crianças, em liberdade provisória. O agressor, arrastou a uma menina de 04 anos, neta da senhora que permitiu sua entrada na casa, para dentro do banheiro onde cometeu a atrocidade. João José Costa, de 36 anos, já tinha passagem por estupro de vulnerável no ano de 2006, mas, como estamos tentando acabar com a cultura do encarceramento, ele estava em liberdade provisória.

O caso é extremo, mas não é isolado, todos os dias centenas de marginais são colocados nas ruas seja através das audiências de custódias, “saidões” (dia das mães, natal, festas juninas e etc.), progressões de regime ou por determinações judiciais diversas. E a verdade é que, uma vez nas ruas, estes cidadãos partem para o exercício de suas profissões, roubo, estupro, furto, tráfico de drogas e homicídio.

10% dos homicídios do mundo ocorrem no Brasil

A população encontra-se em uma posição de total fragilidade, sente-se desamparada e insegura. O simples ato de andar nas ruas de qualquer cidade brasileira é uma aventura incerta, nunca se sabe quando ou quem será a próxima vítima. As pessoas são mantidas em permanente estado de terror, se na Europa e no Oriente Médio as pessoas ficam temerosas sobre onde será o próximo atentado, aqui a difusão da violência traz a certeza de que o perigo está esquina. Porque na cultura do desencarceramento, uma gentileza, como permitir que um entregador de gás use o banheiro de sua casa, pode ser um erro fatal.

links de referência:

Entregador de gás é acusado de estuprar menina de 4 anos em Taguatinga
http://www.metropoles.com/distrito-federal/seguranca-df/entregador-de-gas-e-acusado-de-estuprar-menina-de-4-anos-em-taguatinga
Links Audiências de custódia
http://www.metropoles.com/distrito-federal/justica-distrito-federal/audiencia-de-custodia-define-destino-de-quase-mil-presos-por-mes-no-df
http://aderivaldo23.com/seguranca-publica/audiencias-de-custodia-liberam-5149-dos-presos-em-flagrante-no-df/

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA