Conflito armado entre China e Índia deixa pelo menos 20 mortos

0

Um total de 20 militares do Exército indiano, incluindo um coronel, foram mortos durante um confronto violento com tropas chinesas no vale de Galwan, leste de Ladakh, na noite de segunda-feira, aumentando o já volátil impasse entre os dois lados.

Pelo menos 20 militares do exército indiano, incluindo um coronel, foram mortos em um confronto feroz com tropas chinesas no vale de Galwan, a leste de Ladakh, na segunda-feira à noite, 15 de junho de 2020.

Esse foi o maior confronto militar entre os dois países em mais de cinco décadas, o que aumentou significativamente o impasse nas fronteiras da região.

O Exército indiano disse, nesta terça-feira, que um oficial e dois soldados foram mortos. Mas em uma declaração no final da noite, ele revisou o número para 20 somando mais 17 ao número inicial. No comunicado foi informado que os outros militares “foram gravemente feridos no cumprimento do dever e expostos a temperaturas abaixo de zero no local do impasse sucumbiram aos ferimentos”.

Fontes do governo disseram que o lado chinês também sofreu “baixas proporcionais”, mas optou por não especular sobre o número. Uma fonte da ANI especulou que pelo menos 43 soldados chineses foram gravemente feridos ou mortos no confronto.

ÍNDIA PERDE 20 SOLDADOS

O Exército indiano confirmou que 20 homens morreram no confronto no vale de Galwan, no entanto, somente as identidades de apenas 3 militares foram divulgadas até agora.

Inicialmente alegando que três homens haviam morrido no confronto, mais tarde o Exército disse: “17 tropas indianas que foram gravemente feridas no cumprimento do dever no local do confronto e expostas a temperaturas abaixo de zero no terreno de alta altitude sucumbiram aos ferimentos. , levando o total de mortos em ação para 20. “

O oficial morto no confronto foi identificado como o coronel Santosh Babu, comandante do Regimento 16 Bihar e natural de Telangana.

Os outros soldados identificados foram Havaldar K Palani e Sepoy Kundan Ojha de Tamil Nadu e Jharkhand, respectivamente.

CHINA SOFREU 43 BAIXAS

Embora nenhuma declaração oficial tenha vindo da China sobre o número de vítimas, as interceptações indianas estimaram aproximadamente 43 mortos do lado chinês.

Tropas chinesas sofreram 43 baixas durante o confronto com o Exército Indiano na Linha de Controle Real (LAC) na região de Galwan Valley, leste de Ladakh, informou a agência de notícias ANI.

As agências de inteligência indianas estão analisando cuidadosamente as interceptações de áudio, recursos visuais e relatórios de sobreviventes para avaliar as baixas do lado chinês. Relatórios preliminares indicam muitos feridos graves, de acordo com informações do governo indiano.

“As interceptações indianas revelam que o lado chinês sofreu 43 baixas, incluindo mortos e gravemente feridos em um confronto no vale Galwan”, disse a ANI, citando fontes.

A Índia não espera que a China se responsabilize por causa de seu histórico de ocultação de mortes.

Fontes militares disseram que operações da força aérea chinesa foram observadas ao longo das áreas no leste de Ladakh, acrescentando que os dois exércitos mantiveram conversações no nível de Alto Comando no local do conflito.

O QUE REALMENTE ACONTECEU DE 15 A 16 DE JUNHO

Depois que a Índia e a China concordaram que as tropas chinesas se desmobilizariam e retornariam ao seu território no Vale Galwan de Ladakh em 6 de junho, as negociações entre os comandos de ambos os lados deveriam voltar a ocorrer em 16 de junho.

Como as tropas do Exército Chinês não recuaram, uma equipe de patrulha do Exército Indiano, liderada pelo coronel Santosh Babu, do 16º Regimento Bihar, decidiu iniciar uma tratativa com o lado chinês.

Os chineses recusaram-se a voltar e agravaram deliberadamente a situação.

Eles começaram a atacar a delegação indiana com paus, pedras e paus envoltos em arame farpado.

Fontes militares indianas disseram que nenhuma arma de fogo foi usada nos confrontos e que a maioria dos ferimentos foi sofrida após o disparo de pedras e o uso de hastes pelo lado chinês.

Mais tarde, o lado indiano revidou, resultando em baixas pesadas às tropas do Exército Chinês.

O confronto durou mais de três horas.

Lançando uma segunda declaração na noite de terça-feira, o Exército Indiano disse: “As tropas indianas e chinesas se desengajaram da região de Galwan, onde haviam entrado em conflito na noite de 15/16 de junho de 2020”.

Exército Indiano na Região da Caxemira na fronteira com a China. Tensão máxima.

CHINA TENTA ALTERAR O STATUS QUO

Em um comunicado, o Ministério de Relações Exteriores da Índia disse que o confronto violento foi resultado de uma tentativa do lado chinês de mudar unilateralmente o status quo na região e que ambos os lados sofreram baixas que poderiam ser evitadas se o acordo fechado anteriormente fosse escrupulosamente seguido pelo lado chinês.

“Dada sua abordagem responsável à gestão de fronteiras, a Índia é muito clara que todas as suas atividades estão sempre no lado indiano da Linha de fronteira. Esperamos o mesmo do lado chinês”, disse o porta-voz da MEA, Anurag Srivastava.

Primeiro Ministro da Índia realizou uma reunião de alta cúpula

O primeiro-ministro Narendra Modi realizou uma reunião de alta cúpula com o ministro da Defesa Rajnath Singh, o ministro do Interior Amit Shah, o ministro das Finanças Nirmala Sitharaman e o ministro de Relações Exteriores S Jaishankar à noite, onde realizou uma análise abrangente da situação no leste de Ladakh, onde os dois exércitos estão em impasse há mais de cinco semanas.

CHINA ACUSA A ÍNDIA DE CRUZAR FRONTEIRAS

A mídia oficial da China citou na terça-feira as Forças Armadas chinesas alegando que “sempre” possuía soberania sobre a região do Vale Galwan e alegou que “ataques provocativos” lançados pelas tropas indianas resultaram em “graves confrontos e baixas”.

Em Pequim, funcionários do Ministério das Relações Exteriores da China silenciaram as baixas sofridas pelas tropas do ELP, mas Hu Xijin, editor do tabloide do Global Times, dirigido pelo Partido Comunista, twittou dizendo que também há baixas no lado chinês.

Na sua reação, a China alegou que as tropas indianas atravessaram a fronteira de fato duas vezes em 15 de junho por “atividades ilegais e provocaram e atacaram o pessoal chinês”, o que levou a sérios conflitos físicos.

ALERTA NAS PROVÍNCIAS INDIANAS DE KINNAUR, LAHAUL-SPITI

A polícia de Himachal Pradesh emitiu um alerta nos distritos de Lahaul-Spiti e Kinnaur, que fazem fronteira com a China, em vista do violento confronto entre tropas indianas e chinesas no vale de Galwan, no leste de Ladakh, disse uma autoridade na terça-feira.

O porta-voz da polícia estadual Khushal Sharma disse que um alerta e um aviso foram emitidos aos distritos de Kinnaur e Lahaul-Spiti para que tomem todas as medidas de precaução para garantir a segurança da população local e também para coletar informações para planejar o futuro curso de ação.

ONU EXPRESSA PREOCUPAÇÃO COM A SITUAÇÃO

Membro da ONU, Antonio Guterres, expressou preocupação com relatos de violência e mortes na Linha de Controle Real (ALC) entre Índia e China e instou os dois lados a exercerem “máxima cautela”, disse seu porta-voz na terça-feira.

Eri Kaneko, porta-voz associado do Secretário-Geral da ONU, fez os comentários no briefing diário da imprensa.

“Estamos preocupados com relatos de violência e mortes na Linha de Controle Real (ALC) entre Índia e China e instamos ambos os lados a exercerem o máximo de cautela. Tomamos nota positiva dos relatos de que os dois países se comprometeram a arrefecer a situação”. Kaneko disse.

FRONTEIRA LEVA A CONFLITO APÓS 53 ANOS

É o maior confronto entre os dois militares após os confrontos de 1967 em Nathu La, quando a Índia perdeu cerca de 80 soldados, enquanto mais de 300 militares chineses foram mortos no confronto. As vítimas levam ambos os lados a um território desconhecido, em um momento em que a atenção do governo está focada no combate à crise do Covid-19, que parece estar aumentando a cada dia.

A disputa de fronteira Índia-China abrange a ALC de 3.488 km de comprimento. A China reivindica Arunachal Pradesh como parte do sul do Tibete, enquanto a Índia o contesta.

Ambos os lados têm afirmado que, na pendência da resolução final da questão das fronteiras, é necessário manter a paz e a tranquilidade nas áreas de fronteira.

MAIS CONFRONTO ENTRE ÍNDIA-CHINA

Um grande número de tropas indianas e chinesas se envolveu em uma situação de olho a olho no vale de Galwan e em outras áreas do leste de Ladakh nas últimas cinco semanas, inclusive. em Pangong Tso, Galwan Valley, Demchok e Daulat Beg Oldie, no leste de Ladakh.

Um número considerável de militares do Exército chinês até transgrediu para o lado indiano da fronteira de fato em várias áreas, incluindo Pangong Tso.

O Exército indiano tem se oposto ferozmente às transgressões e exigiu sua retirada imediata para a restauração da paz e tranquilidade na área. Ambos os lados mantiveram uma série de conversas nos últimos dias para resolver a disputa.

Em seus primeiros esforços sérios para acabar com a disputa, o tenente-general Harinder Singh, o oficial-chefe que comandava o 14 Corps, com sede em Leh, e o comandante do Distrito Militar do Tibete, major Gen Liu Lin, realizaram uma reunião de quase sete horas em 6 de junho.

A reunião foi seguida de duas rodadas de negociações à nível de Alto Comando.

O lado indiano tem defendido a restauração do status quo ante e a retirada imediata de milhares de tropas chinesas das áreas que a Índia considera do seu lado da fronteira.

Os confrontos de segunda-feira ocorreram dois dias depois que o general do exército indiano M M Naravane disse que os dois lados começaram a se retirar do vale de Galwan. Ele disse no sábado que os dois lados estão “desengajando” de maneira gradual.

“Começamos do norte, a partir da área do rio Galwan, onde ocorreu muito desengajamento. Foi um diálogo muito proveitoso que tivemos”, disse ele.

Após o impasse no leste de Ladakh, os dois lados enviaram tropas adicionais ao longo da ALC, a fronteira sino-indiana de fato, em Sikkim do Norte, Himachal Pradesh, Uttarakhand e Arunachal Pradesh nos últimos dias, disseram as fontes.

Depois que o impasse começou no mês passado, a liderança militar indiana decidiu que as tropas indianas adotariam uma abordagem firme ao lidar com a postura agressiva das tropas chinesas em todas as áreas disputadas de Pangong Tso, Vale de Galwan, Demchok e Daulat Beg Oldie.

O Exército chinês tem aumentado gradualmente suas reservas estratégicas em suas bases de retaguarda, perto da fronteira, reforçando as guarnições com armas de artilharia, veículos de combate, de infantaria e equipamentos militares pesados.

O gatilho para o confronto foi a forte oposição da China à Índia, que quer tomar posse de uma estrada importante na área de Finger, ao redor do lago Pangong Tso, além da construção de outra estrada que liga a rodovia Darbuk-Shayok-Daulat Beg Oldie, no vale de Galwan.

A estrada na área de Finger em Pangong Tso é considerada crucial para a Índia realizar patrulhas. A Índia já decidiu não suspender nenhum projeto de infraestrutura de fronteira no leste de Ladakh, em vista dos protestos chineses.

A situação na área se deteriorou depois que cerca de 250 soldados chineses e indianos se envolveram em um confronto violento nos dias 5 e 6 de maio. O incidente em Pangong Tso foi seguido por um incidente semelhante em North Sikkim, em 9 de maio.

Fonte: ÍNDIA TODAY

Tradução: Olavo Mendonça

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.