Notícias

Ministério da Justiça e Segurança Pública inicia capacitação de profissionais que irão atuar na Operação Guardiões do Bioma

Compartilhe nas redes sociais

Brasília, 06/08/2021 – Cinquenta e quatro bombeiros militares da Força Nacional de Segurança Pública (FNSP) que estarão de prontidão para atuar na Operação Guardiões do Bioma iniciaram, nesta sexta-feira (6), as instruções do Estágio de Readaptação da Força Nacional.

O objetivo da mobilização é para que os profissionais de segurança pública possam atuar nas diversas operações de prevenção e combate aos incêndios florestais designadas pelo Mistério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) em apoio aos estados, principalmente, a Guardiões do Bioma.

Nesta semana, outros 50 bombeiros e policiais militares dos 11 estados, que irão receber a Operação Guardiões do Bioma, participaram do 1º Alinhamento Técnico-Operacional de Combate aos Incêndios Florestais, oferecido pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública. Eles serão multiplicadores de ações que devem ser implementadas durante a atuação contra incêndios florestais nos biomas Amazônia, Cerrado e Pantanal.

O encontro, organizado pela Secretaria de Operações Integradas (Seopi) e pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), teve duração de três dias. Na especialização foram apresentados os novos equipamentos e ferramentas para monitoramento de focos de incêndio no país. Todos os estados já fizeram uma apresentação prévia do que será necessário para a mobilização em suas regiões. Representantes das forças de segurança de Minas Gerais e do Distrito Federal, além do Conselho Nacional dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil (Ligabom), participaram do alinhamento como apoiadores.

A Operação Guardiões do Bioma vai contar com quase seis mil profissionais para atuar na prevenção, repressão e investigação de casos relacionados a queimadas e outros crimes ambientais. O foco será nos estados do Acre, Amazonas, Amapá, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima, Tocantins e Goiás.



Fonte: Ministério da Justiça e Segurança Pública

Partidos contestam terceirização da segurança dos portos nacionais
Teste Premium

Notícias

Cultura

Editorial

Menu