Guerra à pornografia na internet

0

O primeiro ministro da Inglaterra, David Cameron, declarou guerra à pornografia na internet on-line, pois, na sua opinião, está “corroendo a infância”. Entre as medidas anunciadas está o bloqueio a esse tipo de conteúdo feito diretamente pelos provedores de internet. Para ter acesso, o assinante terá que pedir a liberação. Já era ora das autoridades constituídas protegerem a juventude e a infância contra os males terríveis da pornografia, hoje disponíveis amplamente e de maneira gratuita. Também aqui no Brasil isso é urgente e precisamos exigir isso das autoridades.Cameron disse: “Eu não estou fazendo esse discurso porque quero ser moralista ou alarmista, mas porque sinto profundamente como político e como pai que a hora para ação chegou. Isto é, simplesmente, sobre como podemos proteger nossas crianças e sua inocência”. Os pais cristãos e não cristãos, têm de ser preocupar com o prejuízo que a pornografia significa para o desenvolvimento equilibrado da sexualidade da criança e do jovem.

Até o fim do próximo ano, milhões de internautas no Reino Unido serão contatados por seus provedores que darão a opção de ativar ou não “filtros familiares” para restringir o conteúdo adulto. Consumidores que não responderem terão o filtro ativado por padrão.

As palavras do Ministro são claras: “Eu tenho uma mensagem clara para Google, Bing, Yahoo!, e o resto. Vocês têm o dever de agir, e é um dever moral. A questão que colocamos é clara: se dermos uma lista negra de termos de busca, vocês se comprometem a retornar resultados para essas buscas? Se até outubro não gostarmos das respostas dadas a essa questão eu posso dizer que buscaremos opções legislativas para forçar a ação”. Para ele, a solução radical de filtrar a pornografia impede que as crianças burlem as técnicas adotadas pelos pais.

Cameron esclarece que sua ação não é uma violação à liberdade de expressão: “Eu acredito em liberdade de expressão, mas liberdade de expressão não significa que você tem o direito de incitar assassinatos, não significa que você tem o direito de incitar abusos contra crianças, ele disse, se referindo aos assassinatos de Tia Sharp e April Jones, duas crianças mortas recentemente que, em ambos os casos, os acusados acessavam pornografia infantil.

Que o bom e urgente exemplo de Cameron seja seguido também entre nós.

Prof. Felipe Aquino.

Fonte: Cleofas.

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA