Sugestões de livros e filmes

0

LIVROS

 O Expresso Berlim-Bagdá

O autor, professor das universidades de Yale, nos Estados Unidos da América do Norte e de Bilkent na Turquia,  oferece uma surpreendente perspectiva de um dos mais importantes, embora negligenciados, aspectos da Primeira Guerra Mundial: A aliança  turco-alemã para vencer a guerra a qualquer custo. Baseado em uma pesquisa minuciosa e tendo como pano de fundo a construção da extraordinária ferrovia Berlim-Bagdá, Sean McMeekin faz um relato repleto de aventuras e intrigas políticas. Em que pese a tradução para o português não ser das melhores, por vezes bisonha, o livro não perde o brilho para aqueles que não tem medo de se aventurar em uma guerra pouco estudada e lida nos dias atuais, o que dificulta de sobremaneira a capacidade de entender o Oriente Próximo, também chamado de Oriente Médio, de hoje. O mais contundente assunto abordado no livro é como os Alemães provocaram a primeira Jihad contra cristãos, unindo os povos muçulmanos, o que até então era inédito e que tem consequências nefastas até os dias atuais.

Autor: MCMEEKIN, SEAN

Editora: GLOBO

Assunto: HISTÓRIA GERAL

Preço: R$ 59,90

Os Sete Pilares da Sabedoria 

Seguindo a linha do livro anterior , para entender melhor a Primeira Guerra Mundial, o livro do Arqueólogo, escritor e militar  inglês Thomas Edward Lawrence foi um dos mais notáveis do Século XX, sendo citado por Winston Churchill como um dos “grandes livros escritos da língua inglesa” . A editora Record relança o livro com sua belíssima tradução de C. Machado, original do lançamento do livro no Brasil em 1938. A obra é o registro autobiográfico da ação do então tenente Lawrence da Arábia na insurreição dos povos árabes na derrocada do Império turco Otomano. Além do relato preciso e precioso da geografia da região, das indumentárias, costumes, culinária e religiosidade de uma das regiões mais inóspitas e desconhecidas do mundo,  o autor brinda a seus leitores com seus vastos conhecimentos de filosofia, história e de uma aguçada visão crítica da guerra em curso, tudo isso permeado, as vezes, pelo seu humor inglês típico. Lançado em 1926, em uma edição artesanal restrita a amigos e escritores, foi depois divulgada em todo Império Britânico e no mundo. Do estrondoso sucesso do livro foi realizado em 1962 o filme “Lawrence da Arábia”, considerado um dos 100 melhores filmes já feitos de todos os tempos.

Autor: LAWRENCE, T.E.

Editora: RECORD

Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA

Preço: R$ 89,90

Ascensão e queda do Comunismo  

Excelente para entender, de maneira resumida e didática, a ascensão e queda de uma ideologia que chegou a controlar 40% da população mundial e que foi responsável pela morte de mais de 100 milhões de pessoas. Nesse livro o Professor Brown disseca, de maneira cronológica, e ascensão do regime comunista e a sua consequente queda focando principalmente na União Soviética, Leste Europeu, passando pela Ásia e América. Resumido ao extremo, como não poderia deixar de ser em tema tão vasto, o livro ainda tem informações valiosas sobre a China comunista dos dias atuais, ficando devendo somente uma análise mais a fundo dos países comunistas africanos e latino-americanos.

Autor: BROWN, ARCHIE

Tradutor: CASOTTI, BRUNO

Editora: RECORD

Assunto: HISTÓRIA GERAL

Preço: R$ 89,90

FILMES

Romance

BELLA Esse belíssimo e emocionante filme conta a estória de José, um astro internacional de futebol, que está prestes a assinar um contrato milionário quando tudo muda e a sua vida vira de pernas pro ar. Recomeçando a vida como cozinheiro no restaurante do irmão, ele conhece Nina, uma garçonete do restaurante, que desiludida com o rumo da sua vida descobre algo que não estava preparada para saber. Num momento irreversível suas vidas se cruzam e como duas crianças perdidas em Nova York, começam a se conhecer, a conhecer a cidade e a vida de uma forma totalmente nova e intensa. A cena em que ambos conversam com um artista cego e mendigo nas ruas do centro é ontológica. Imperdível.

Drama

Homens e deuses 

Vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes em 2010, “Homens e Deuses” detalha a vida despojada de Monges Trapistas no Mosteiro de Atlas na Argélia, norte da África, que dedicam a sua vida a cuidar da população da cidade vizinha, composta por muçulmanos.  Seguindo a sua rotina de “estrita observância” , acordam as três horas da manhã para rezar, cantar cânticos gregorianos e estudar, além, é claro, do trabalho braçal deixado por escrito no lema de São Bento: “ora et labora”.

No consultório do mosteiro o irmão Luc, um simpático e idoso monge, atende a intermináveis filas de doentes, pois é o  único médico e fornecedor de remédios num raio de centenas de quilômetros. Porém, com o avanço da revolução muçulmana extremista, os monges começam a ser pressionados para tomar parte no conflito entre o governo e os terroristas radicais. A situação vai se agravando até que eles se veem obrigados a passar por uma pesada provação de sua fé em Deus e na sua missão.

Inspirado em fatos reais, ocorridos na Argélia em 1996, “Homens e Deuses”, do diretor francês Xavier Beauvois (“O Pequeno Tenente”), sustenta a tensão da crônica de um fim anunciado,mas o cineasta empenha-se de tal maneira em aprofundar o perfil de seus personagens, monges católicos sitiados pelo fundamentalismo islâmico, que seu filme torna-se um libelo pela tolerância. Com cenas belíssimas de paisagens do norte da África, atuações marcantes e de puro lirismo, como a que o monge sofrendo terríveis dúvidas passa a noite em oração e que tem a resposta assim que o dia amanhece dentro da capela, o filme se torna inesquecível.

Clássicos

Os intocáveis 

Obra prima do Diretor Brian de Palma, foi indicado a sete oscars, se tornando assim um dos grandes filmes policiais já feitos. Com a atuação impecável de Kevin Costner, Andy Garcia e Robert de Niro no papel de Al Capone, além do impagável Sean Connery no papel de Malone, o tutor do agente Eliot Ness, na luta contra o crime organizado na Chicago corrupta dos anos 30 (qualquer semelhança com o Brasil é mera coincidência).

Com a trilha sonora de Enio Morricone, mestre italiano autor da trilha de “Cinema Paradiso”, cenografia magistral e sequências de tirar o fôlego, vale a pena ser revisto por quem já viu e para que não viu é programa obrigatório.

A sequência do tiroteio na estação de trem, onde o agente Eliot Ness (Kevin Costner) tenta ajudar uma mulher a subir as escadas com um carrinho de bebê e o policial George Stone (Andy Garcia) corre para lhe dar apoio tentando prender o  guarda-livros de Al Capone é considerada uma das grandes cenas do cinema de todos os tempos.

Lawrence da Arábia

  Completando a sequência dos livros indicados o filme de 1962, vencedor de sete oscars e considerado um dos 100 melhores filmes já feitos de todos os tempos é imperdível para completar o imaginário de uma das épocas mais interessantes da história.

O filme, baseado no livro “os sete pilares da sabedoria”, mostra a trajetória do Tenente Lawrence na sua missão de levantar e unir os povos árabes do Oriente Próximo contra os Turcos do Império Otomono, aliado da Alemanha na Primeira Guerra Mundial.

Com uma cenografia grandiosa, que jamais será igualada, e sequências impressionantes, o filme é divertimento puro, além, de agregar fatos históricos incompreensíveis nos dias de hoje.

O filme foi inspirador de vários cineastas famosos como Steven Spilberg e George Lucas, que nos seus próprios trabalhos deixam claro a influência de Lawrence, como Os caçadores da Arca Perdida e o primeiro StarWars.

Olavo Mendonça.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA