Monitoramento por drones pode ajudar na segurança pública no Tocantins

Não é de hoje que os governantes buscam soluções inovadoras para o combate à violência.

0
Tecnologia de monitoramento por drones deve ajudar a barrar o alto crescimento da violência no TO / Foto: Divulgação

Um levantamento feito pelo Ipea (Instituo de Pesquisas Econômicas Aplicadas) em 2018 indicou que pela primeira vez a taxa de homicídio ultrapassou o patamar de 30 mortes por 100 mil habitantes no Brasil. O brasileiro sofre com a violência. Segundo a própria pesquisa, entre 2006 e 2016, 553 mil pessoas perderam a vida por motivo intencional. 

O Rio Grande do Norte continua sendo o Estado brasileiro mais violento, com uma taxa de 14,9 mortes por 100 mil habitantes. O aumento também foi registrado em outros estados. O Tocantins aparece com um aumento expressivo de 119%, o que vem assustando a população da região. Apesar disso, o Estado possui apenas uma cidade no ranking das 100 cidades mais violentas do Brasil. O município de Araguaína ficou na 34ª colocação com 70,5 assassinatos para cada 100 mil habitantes.

Nova agência de fomento pode ajudar no desenvolvimento de soluções de monitoramento

Criada para ajudar no financiamento de projetos que favoreçam o desenvolvimento do estado, a FomenTO, Agência de Fomento de Tocantins, também tem uma missão importante no combate à violência: utilizar o capital de giro para investir em tecnologia para a segurança pública.

Não é de hoje que os governantes buscam soluções inovadoras para o combate à violência. No Brasil, alguns municípios da região sudeste já aderiram a essas novas ferramentas e os resultados são bem satisfatórios. Podemos utilizar o exemplo de Petrópolis, no interior do Rio de Janeiro. A cidade, por meio da prefeitura e com apoio do Governo do Estado, criou um Centro Integrado de Operações (Ciop), onde a Guarda Municipal vigia as ruas com câmeras. Para se ter uma ideia, o município tem 56 câmeras espalhadas em 46 localidades, com capacidade de acompanhar uma imagem em até 1 km de distância. Esta base, que virou exemplo para os outros municípios, já evitou vários crimes, como assaltos à residência, furtos, roubo de carga e até tráfico de drogas. Hoje, Petrópolis é considerada a cidade mais segura do Rio de Janeiro e a 28ª do país.

O que a tecnologia pode oferecer de monitoramento

As câmeras são os equipamentos mais utilizados no Brasil hoje. No Tocantins, os municípios ainda carecem de equipamentos tecnológicos para combater a violência. Além de câmeras, algumas cidades brasileiras utilizam aplicativos de smartphones que ajudam na comunicação entre os cidadãos e os órgãos governamentais para gerar um melhor atendimento à população.

Com os smartphones, também cresce a utilização das redes sociais como meio de comunicação entre o cidadão e a polícia, delatando um crime e pedindo auxílio com mais rapidez. Softwares de reconhecimento facial também já estão sendo utilizados por policias em algumas cidades brasileiras.

Fora do Brasil, a identificação facial vem ajudando no combate a violência. Na China, com a ajuda do software, a polícia conseguiu identificar um suspeito durante um show no meio de um público de 50 mil pessoas em abril do ano passado. Ele foi imediatamente preso. 

Drones também podem ser uma solução de monitoramento urbano

Este equipamento aéreo pode se tornar uma das principais ferramentas no combate ao crime nos estados brasileiros. Já aprovado para a utilização na segurança pública, o drone pode ser a solução para diminuir a violência em Tocantins. 

O apoio aéreo feito pelo drone pode ser uma vantagem decisiva para a força policial. Este aparelho pode ser utilizado no combate a ameaças terroristas, violência urbana, assaltos e identificação de locais, como pontos de tráfico de drogas. Eles podem substituir os helicópteros, que estão sempre presentes em uma operação policial. Seria uma solução mais prática e barata, pois o equipamento custa menos, não precisa de combustível e ainda pode ir a áreas de acesso restrito para helicópteros. 

Em São Paulo, a polícia vem utilizando os drones no combate à violência. Os “pilotos” dos Drones fazem um curso e são treinados para a utilização do aparelho. A capacitação é feita de acordo com as regras da ANAC. Monitoramento de atividades terrestres e costeiras, operações contra saqueadores, controle do trânsito, atendimento para acidentados, monitoramento contra inundações e controle de fronteiras são alguns dosdiferentes serviços que podem ser feitos com drones que poderão colaborar no bem comum.

Drones também podem ser aproveitados em outras atividades econômicas

Além de apoiar iniciativas de segurança pública, há diferentes serviços que podem ser feitos com drones, como captação de imagens estáticas e em vídeo para filmes comerciais e publicitários, filmagens de eventos, monitoramento de plantações, florestas e enchentes e até entregas. Grandes empresas de e-commerce, como a Amazon, já têm adotado o uso de drones para a entrega de produtos nos Estados Unidos. Espera-se que esse serviço esteja disponível no Brasil em pouco tempo.

Outra grande empresa, a IBM, patenteou recentemente um sistema de entrega de café fresco via drones. Com ele, o produto chega diretamente para as mãos do comprador, num raio de distância pré-definido pelo vendedor. A identificação do comprador é feita por meio de sensores embarcados no drone, e o café viaja dentro de uma embalagem especial, para que o líquido não seja derramado no trajeto, nem na entrega.

Um exemplo que pode ser seguido pala secretaria de segurança pública do Tocantins é o da Agência de Defesa Agropecuária (Adapec). A partir do mês de março, a agência utilizará um drone com o objetivo de aumentar a fiscalização nas áreas rurais do Estado. O intuito do veículo é auxiliar no monitoramento das lavouras, dos campos e propriedades rurais, além do controle de animais. O equipamento será uma verdadeira extensão do trabalho do fiscal e resultará em menos fraudes, mais precisão na fiscalização e mais economia.

Fonte – AF NOTÍCIAS

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.