Depoimento da mãe do policial militar Pietro executado em São Paulo.

0

Deus, não consigo entender! O senhor plantou uma sementinha dentro de mim, me preparou 9 meses.
Quando, dia 31/12/1990, me presenteou com um lindo bebe. E que grande! 3,740 kg e 51,5 cm.
Foi tão maravilhoso, um meninão! Dei o nome de Wesley Vanderlei Pietro Bom. COMO EU O AMAVA.
Então, foi crescendo… Vieram as primeiras palavras, os primeiros passos… O pezinho, a escola primária, o ginásio!
QUE RAPAZ LINDO, MEU ORGULHO!
Tinha um sonho, tornar-se policial, estudou muito. Veio a decepção, não passou. Ficamos arrasados, como ele sofreu.
Todavia, não desanimou, tentou novamente, ai veio o resultado final, aprovado! Que felicidade! Choramos muito de tanta alegria. Veio a escola e então a formatura. Seu sonho realizou-se. Como ele era apaixonado pelo o que fazia. Para ele era um orgulho! Fazia faculdade, veio sua primeira namorada. Como ele era apaixonado, depois veio o termino do namoro… Como ele sofreu…eu também! E o Senhor sabe disso, Pai!
Mas sua vida seguiu adiante…
Chegou o ano da copa, fiquei preocupada porque ele foi trabalhar na copa. No COMANDO COPA. Que orgulho, saia de casa impecável, sua farda, se não a melhor, uma das melhores. Fazia questão de estar bem arrumado. Sua bota? Era um espelho!
Em detalhes, ele fazia musculação, era bem dedicado!
Quanto a seu trabalho, nunca perdeu a hora. E eu, como sua mãe, sempre acordava antes dele, arrumava café, e ele levantava. A primeira coisa do dia era :” bença, maezinha!”, e eu o abençoava e o acompanhava até o portão! Lhe dizia:” muita calma! Deus lhe acompanhe e que Nossa Senhora lhe proteja junto com seu anjo da guarda, que Deus guarde você e todos seus amigos!”
O Wesley já sabia que no dia 13/06 seu pai tinha uma cirurgia marcada. E ele, como filho dedicado, disse que levaria seu pai ao hospital e que quando tivesse alta, o buscaria.
Era uma cirurgia simples, seu pai internaria de manha e sairia a tarde. Saímos de casa 4h da manha, ele estava radiante, conversador…
Ai pai! Veio o que eu nunca imaginaria…. Não imaginava que o meu destino estava marcado naquele lugar…
Às 5h da manha, quando passávamos pela vila Heliópolis, dois rapazes sem coração nos cercaram armados. E tudo foi muito rápido, gritos, tiros, nunca imagine. Percebi meu filho imóvel, o chamei e ele não me respondeu… Foi ai que me assustei, meu filho tinha sido atingido na cabeça!
Que desespero Deus, que dor!
SOCORRO, HOSPITAL, CIRURGIA, AGONIA… Tantas informações! Calma, mãe! Estamos fazendo o possível!
Eu sempre pedindo a Deus, cuida do meu filho, olha ele para mim… Que sofrimento! Então veio o médico, me pediu para subir e o acompanhar. A cirurgia tinha terminado, já estava na UTI.
Esperamos ao lado da porta, os médicos pediram para esperar um pouco.
Veio a triste notícia! Mãe, o caso do seu filho foi gravíssimo, fizemos o que pudemos, mas ele entrou na UTI e teve uma parada. Eu não queria acreditar! Não, doutor! O senhor esta brincando, não é verdade!
É, meu filho faleceu!
Que desespero, fiquei sem chão!
Então me perguntei: Deus, por que o senhor me preparou para te-lo, mas não me preparou para tirá-lo de mim? Por que?
Não foi tirando aos poucos, o arrancou dos meus braços, do meu colo de uma só vez, nem pediu licença!
POR QUE? Porque…
Filho, aonde você estiver nao me abandone. Nem a mim e nem seu pai, nem seus irmãos… Cuida da gente, seja nosso anjo protetor. Seu pai esta sofrendo muito também, ele acha que por ser seu pai, tinha que ser seu super herói, e ele acha que não conseguiu, que falhou… Cuida muito dele!
EU TE AMO!
*Feliz 31/12/1990… Eu cheguei!
+Muita saudade 13/06/2014… Eu parti!
Redação do Plantão Policial
Fotos: Correspondentes Plantão Policial
Informações – Correspondentes do Plantão Policial
www.plantaopolicialcn.net
Anúncios

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA