A indissolubilidade do Matrimônio, reflexo do amor total de Cristo

0

A Igreja não pode renunciar à sua missão de acordar a consciência dos povos e chamar os casais ao sacrifício da Cruz e à salvação.

Parece comum, em nossa época, uma tendência a separar o amor da verdade, como se aquele fosse “um sentimento que vai e vem”, e não uma realidade concreta, destinada a “superar o instante efêmero e permanecer firme para sustentar um caminho comum” (cf. Lumen Fidei, n. 27). As obras literárias, os filmes, novelas e seriados produzidos em larga escala e distribuídos ao grande público ajudam a promover esta “cultura do provisório”: exaltam-se personagens do tipo “solteironas”, “muito ocupadas em não fazer nada” (2 Ts 3, 11); modelam-se jovens sem perspectiva, dados a “aproveitar” a vida ao máximo, e adultos frustrados, cujo script se resume ou a um casamento infeliz ou a uma vida de traição e mentira. O cenário, assistido e copiado por muitos, parece indicar a impossibilidade de um relacionamento por toda a vida, de uma entrega definitiva, que nos comprometa totalmente e envolva toda a nossa existência.

O Catecismo da Igreja Católica reconhece que “pode parecer difícil, e até impossível, ligar-se por toda a vida a um ser humano”. No entanto, a Igreja não pode renunciar à sua missão de acordar a consciência dos povos e, ao mesmo tempo, chamar os homens à salvação e à felicidade. A teologia do sacramento do Matrimônio deve ser lida a partir do amor total que nosso Senhor demonstrou no sacrifício da Cruz, como indica o próprio São Paulo: “Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela” (Ef 5, 25). Ora, é inconcebível que o amor de Cristo seja passível de negociação. Do mesmo modo, a aliança firmada entre um homem e uma mulher, com a intenção de criar e educar os filhos, não pode ser quebrada, como quando se prevê o divórcio legal ou dispositivos para facilitá-lo.

Neste ponto, muitas vezes, a Igreja é acusada de não acompanhar o zeitgeist (o espírito do tempo) ou a marcha da história. Como se ela fosse uma instituição meramente humana ou um vendedor à procura de clientes. Mas, afinal, a quem a Igreja deve servir: aos homens ou ao Evangelho? Quando Jesus falou da indissolubilidade do Matrimônio, foi categórico: “não separe o homem o que Deus uniu” (Mt 19, 6); a Igreja, fiel à palavra de Cristo, não pode simplesmente alterar esta doutrina ou anunciar realidade diferente desta. Como disse o Papa Bento XVI, em entrevista ao jornalista Peter Seewald, “o matrimônio contraído na fé é indissolúvel. É uma palavra que não pode ser manipulada: devemos mantê-la intacta, mesmo que contradiga os estilos de vida dominantes hoje”01.

Estes “estilos de vida dominantes” são impulsionados pela própria legislação civil, quando admite juridicamente o rompimento do vínculo conjugal. Os propugnadores do divórcio dizem ser esta uma questão do foro íntimo dos indivíduos, que devem ter reconhecido o seu direito a alterar o “contrato” do casamento. Aqui, sem entrar pormenorizadamente nas angústias e dificuldades específicas de cada relacionamento, prevalece, em maior parte, uma escolha egoística, hedonista. O casal é tentado a pensar em si, em seu conforto, em sua carreira, em seu ego ferido; do lado, porém, de tantos conflitos, estão os filhos, cuja dignidade se vê ameaçada pela decisão arbitrária de seus pais. De fato, não são poucas as crianças e adolescentes que veem seu desenvolvimento humano e afetivo comprometido pela separação e dissolução do casamento de seus pais.

Não menos dolorosa é a situação dos casais que vivem em segunda união. Bento XVI reconheceu tratar-se “dum problema pastoral espinhoso e complexo, uma verdadeira chaga02 do ambiente social contemporâneo que vai progressivamente corroendo os próprios ambientes católicos”03. Nesta dimensão, ao lado de recordar que o homem não pode separar o que Deus uniu, a Igreja acolhe a súplica de seus filhos e os convida a viver quotidianamente sua vocação, se não possível por meio da comunhão eucarística, pelo menos através da oração, da penitência e da educação cristã de seus filhos. Afinal, ao lado de lutar contra o erro e o pecado, a Igreja tem ciência de sua missão de anunciar o Evangelho e buscar a salvação de toda criatura.

Por: Equipe Christo Nihil Praeponere

Referências

BENTO XVI, Papa. Luz do mundo: o Papa, a Igreja e os sinais dos tempos: uma conversa com Peter Seewald – São Paulo: Paulinas, 2011.
À época da publicação da carta, a palavra piaga, em italiano, foi traduzida no site da Santa Sé como “praga”, mas a expressão correta é “chaga”.
Exortação Apostólica Sacramentum Caritatis, número 29.

Anúncios

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA